Cadastre-se
Esqueceu a senha?
Entrar
Cisto Epidermoide superficial em região periorbitária: relato de caso
9 Junho 2018  |  Seção: Artigos  |  Categoria: Plástica Ocular
WhatsApp Facebook Twitter LinkedIn Send
A - A +
Enviar por E-mailX

Você pode enviar este conteúdo para até três amigo(a)s ao mesmo tempo.

+ 1 Amigo(a)

+ 1 Amigo(a)

Enviar Conteúdo
O Cisto Epidermoide é a lesão cística mais comum da órbita. É uma lesão congênita e representa o tumor orbitário mais comum em crianças
Data:
Cidade:
Manteufel, VMN¹; Bianchi,LS¹; Brasil,LFR¹; Cunha, YC1; Peixoto, NBPS2; Piccinini,RA2.
1.Residentes em Oftalmologia da Fundação Hilton Rocha - FHR
2-Fellows do departamento de Plástica Ocular da Fundação Hilton Rocha ? FHR

Introdução
O Cisto Epidermoide é a lesão cística mais comum da órbita. É uma lesão congênita e representa o tumor orbitário mais comum em crianças. Os Cistos epidermoides são coristomas resultantes do sequestro do ectoderma de superfície. Geralmente são assintomáticos, a menos que cresçam a ponto de causar compressão orbitária ou ruptura espontânea causando reação inflamatória. O objetivo do presente trabalho é trazer um relato de caso e discutir suas características clinicas, histopatológicas bem como seu principal diagnóstico diferencial.
 
Método
Revisão da literatura nas bases de dados PubMed e SCIELO, consulta em livros-texto de oftalmologia nos últimos 10 anos utilizando os descritores "cisto dermoide" e "cisto epidermoide".

Resultado
O Cisto Epidermoide Superficial é uma afecção que atinge principalmente crianças, como um nódulo indolor mais comumente localizado na porção superotemporal da órbita. Seus principais sinais incluem uma massa dura, firme, arredondada, lisa de 1-2 cm de diâmetro, que é livremente móvel sob a pele, mas geralmente unida ao periósteo adjacente. As margens posteriores são facilmente palpáveis, denotando ausência de origem profunda ou extensão. O tratamento é feito por excisão completa da lesão, tendo o cuidado de não romper a lesão, visto que o vazamento de queratina para os tecidos adjacentes resulta em grave inflamação granulomatosa. 

Relato de Caso
MDV, 12 anos, queixa-se de incômodo esteticamente em região palpebral. Mãe relata que o filho apresentava este cisto desde os 3 anos de idade, de crescimento progressivo. Ao exame, o nódulo se apresenta indolor, palpável e com bordos regulares. Foram solicitados TC e biópsia excisional. 
A TC axial evidenciou lesão heterogenia bem definida em região temporal superior orbitária. Foi realizado exérese de lesão sem intercorrências. 
 
Figuras 1 e 2: Aspectos morfológicos do Cisto Epidermoide no pré-operatório.


 
Figuras 3 e 4: Aspectos macroscópicos do Cisto Epidermoide no per-operatório, revelando lesão de formato esférico, coloração esbranquiçada, alta densidade ao toque e diâmetro de 1,8 cm.A análise histopatológica revelou a presença de uma cápsula envoltória de tecido conjuntivo denso modelado, limitando a camada basal de um epitélio estratificado pavimentoso sem atipias e com larga faixa interna formada por lâminas de queratina. A lesão foi preenchida com material córneo em disposição lamelar, não tendo sido encontrados componentes de anexos cutâneos na lesão.

Conclusão
O Cisto epidérmico, frequentemente encontrado no tecido subcutâneo, constitui uma entidade clínica bastante comum e de fácil resolução, apesar de necessitar de uma conduta cirúrgica e cautelosa, pois qualquer extravasamento do seu conteúdo na ferida cirúrgica pode tornar o processo recidivante e provocar uma reação granulomatosa na região. Após exérese do cisto, foi observado que em seu interior foi identificado apenas queratina, reafirmando o diagnóstico de Cisto Epidermoide, que diferencia-se do Cisto Dermoide pelos seus conteúdos internos, tais como folículos pilosos, glândulas sebáceas e sudoríparas.
            
Referências bibliográficas
1- LaneCM,EhrlichWW,WrightJE. Orbital dermoid cyst Eye. 2011;1:504-11. 
2- New GB,ErichJB. Dermoid cysts of the head and neck. SurgGynecolObstet2009;65:48-55. 
3 -Assaux G, Broca A. Contribution a 1'etude des kystes a contenuhuileux.Archd'Ophtalmol2008;3:318-42. 
4- deLapersonneF;Kyste dermoide fronto-orbitaire. Arch d'Ophtalmol 2001;13:657-62. 
5 Cange A, Argaud R. Le kyste dermoide orbito-temporal. 

Fonte: Universo Visual
Comentários X

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.
Enviar Comentário