Cadastre-se
Esqueceu a senha?
Entrar
USP coordena mutirão de saúde em escola fluvial no Rio Madeira
4 Julho 2018  |  Seção: Notícias  |  Categoria: Oftalmologia geral
WhatsApp Facebook Twitter LinkedIn Send
A - A +
Enviar por E-mailX

Você pode enviar este conteúdo para até três amigo(a)s ao mesmo tempo.

+ 1 Amigo(a)

+ 1 Amigo(a)

Enviar Conteúdo
Os escolares serão submetidos a exames oftalmológicos e laboratoriais para detectar doenças como diabetes e dislipidemias
Data:
Cidade:
O mês de julho vai ser especial para os alunos da Escola Municipal Fluvial Osmarina Melo de Oliveira, um barco-escola localizado no Rio Madeira, na comunidade do Tapuru, a 200 quilômetros de Humaitá (Amazonas). Entre os dias 16 e 23 de julho de 2018, eles vão receber a visita de uma equipe coordenada pela USP para um mutirão de assistência à saúde que deve atender cerca de 350 escolares.
O objetivo é identificar crianças com problemas oftalmológicos e com risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, obesidade, hipertensão, colesterol alto, entre outras. A iniciativa faz parte de uma parceria técnica de apoio mútuo entre a USP e a prefeitura local, durante os atendimentos, também serão colhidos dados científicos para ajudar a prefeitura a planejar ações preventivas e de intervenção.
Os escolares (cerca de 350) serão submetidos a exames oftalmológicos e laboratoriais, incluindo fezes e anemia. Os que apresentarem problemas de visão receberão tratamento e óculos. Serão escolhidos, de modo aleatório, entre os participantes, cerca de 170 alunos (30%) para a realização de exames adicionais com o intuito de identificar a ocorrência de doenças crônicas não transmissíveis.
"Estamos aproveitando uma ação assistencial para colher dados científicos que possam subsidiar a prefeitura a pensar em ações preventivas e de intervenção nesses escolares", conta Luis Marcelo Aranha Camargo, professor da USP e coordenador das atividades. Segundo ele, muitos dos fatores de risco surgem na infância e, caso não sejam tomadas medidas preventivas adequadas, podem originar doenças crônicas não transmissíveis na vida adulta.
Aranha Camargo coordena o ICB5, um centro de apoio de ensino, pesquisa e assistência em saúde que o Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP mantêm de modo permanente desde 1997 na cidade de Monte Negro, em Rondônia.
Além de profissionais da USP e da prefeitura local, o mutirão vai contar com a participação de alunos do último ano de medicina do Centro Universitário São Lucas (UNISL) de Porto Velho; do Instituto da Visão (IPEPO) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp); do Centro de Pesquisa em Doenças Tropicais de Rondônia (Cepem); e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Epidemiologia da Amazônia (INCT-EpiAmo).

Fatores de risco
De acordo com o professor, um estudo preliminar realizado em 2016 em comunidades da região mostrou uma elevada ocorrência de doenças crônicas em adultos. No ano passado, os pesquisadores do ICB5 realizaram uma avaliação de escolares em Monte Negro e encontraram um grande número de crianças e adolescentes com os fatores de risco para o desenvolvimento futuro de doenças crônicas não transmissíveis. Alguns, inclusive, chegaram a ser diagnosticados com obesidade, sedentarismo, intolerância a glicose e dislipidemia (excesso de gordura no sangue). O docente acredita que o mesmo deve estar ocorrendo com os escolares ribeirinhos.
Aranha Camargo cita a genética e os fatores comportamentais e ambientais como motivadores desse quadro. "Quando os pais têm diabetes ou outras doenças crônicas não transmissíveis, os filhos apresentam chances maiores de desenvolver essas doenças. O sedentarismo e a alimentação inadequada também colaboram", explica.
Ele conta que nas comunidades ribeirinhas a alimentação é muito deficiente. Geralmente as famílias não tem luz elétrica e a conservação dos alimentos fica prejudicada. Por isso, há uma preferência por produtos ricos em sódio (peixe e carne salgados, embutidos e enlatados) e em carboidratos, como as massas (por não serem perecíveis), além de um baixo consumo de verduras e frutas.

UBS Fluvial
Os equipamentos oftalmológicos a serem utilizados no mutirão pertencem à Clinica de Oftalmologia do ICB5, em Monte Negro, e serão transportadas até a Escola Fluvial e instaladas em salas de aula. O transporte será feito por meio terrrestre até Humaita. De lá, a equipe vai navegar pelo Rio Madeira a bordo da Unidade Básica de Saúde Fluvial Irmã Angélica Tonetta, pertencente ao município, até ancorar ao lado da Escola Fluvial, servindo de base aos participantes do mutirão.
Para os adultos, serão disponibilizadas consultas médicas e exames preventivos de câncer de colo do útero, vacinação, diagnóstico de pressão alta, diabetes, colesterol, hanseníase, entre outros.
Sobre a parceria entre a USP e prefeitura de Humaitá, Aranha Camargo conta: "A Universidade presta assessoria, capacitação e assistência em saúde. Em troca, a prefeitura fornece a estrutura para a execução de pesquisas e a possibilidade de treinamento de acadêmicos da área de saúde".
Fonte: Jornal da USP
Comentários X

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.
Enviar Comentário